SharePoint
  • Univali
  • Notícias
  • Brasil realizará estudos ambientais na Elevação do Rio Grande

Brasil realizará estudos ambientais na Elevação do Rio Grande

Proposta necessária para avaliação do potencial mineral será apresentada ao público na terça-feira, 4


por Wagner José Mezoni | 04/04/2017

Itajaí – O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) celebrou, na terça-feira, 4, nova etapa da parceria com a Universidade do Vale do Itajaí (Univali) para alavancar os estudos ambientais e oceanográficos necessários para avaliação do potencial mineral da Elevação do Rio Grande, localizada em águas internacionais, do Atlântico Sul, a mais de 1,1 mil km da costa brasileira.  A solenidade, no auditório E1, do Campus da Universidade, em Itajaí, contou com a presença de representantes das duas instituições, além de pesquisadores ligados ao tema. 


A iniciativa faz parte do Programa de Estudos Ambientais para a Exploração de Crostas Ferromanganesíferas Ricas em Cobalto na Elevação a do Rio Grande (PROERG) coordenado pela CPRM e que vai contar com parceria da Univali. O estudo está previsto no contrato e plano de trabalho firmado entre a CPRM e a Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISBA), órgão ligado a ONU, que concedeu ao Brasil o direito de pesquisar por 15 anos o potencial mineral da região formada por uma cordilheira montanhosa submersa, que se eleva de mais de 3 mil metros do fundo oceânico. 

Desde 2009, a CPRM vem estudando a elevação do Rio Grande através de expedições marítimas desenvolvidas em parceria com outras instituições, identificando as áreas de maior interesse econômico para exploração mineral. Estes estudos demonstraram que o local possui indícios de áreas ricas em cobalto, níquel, manganês, fosfato, platina até minérios utilizados na indústria de alta tecnologia, como terras raras. 

De acordo com o diretor de Geologia e Recursos Minerais, José Leonardo Andriotti, o objetivo desta etapa é avaliar possíveis impactos que a atividade de mineração poderá causar no meio ambiente marinho. “Trata-se de um projeto estratégico coordenado pela CPRM que amplia a presença brasileira no Atlântico Sul. Também é considerado um projeto pioneiro porque coloca o Brasil em um seleto grupo de países que estão na vanguarda das pesquisas minerais nos oceanos, entre eles, Rússia, Noruega, França, China, Alemanha, Japão e Coréia do Sul”, explica.  

Andriotti acredita que o projeto coordenado pela Divisão de Geologia Marinha (DIGEOM) da CPRM vai estimular o desenvolvimento científico e a criação de polos capazes de desenvolver novas tecnologias e equipamentos de ponta para dar suporte aos trabalhos de pesquisa.  “A parceria com a Univali caminha nesse sentido, pois vai permitir formação de uma equipe multidisciplinar para realizar o levantamento ambiental da região”, avalia.

Conforme José Angel Alvarez Perez, pesquisador da Univali, o projeto inclui a construção de linha de base ambiental, o monitoramento ambiental das atividades de exploração e a avaliação de impactos ambientais de eventuais atividades comerciais na área. "As possibilidades são interessantes, porque é uma região rica em elementos químicos usados na indústria, especialmente nas de alta de tecnologia, na produção de chips, peças de usinas eólicas e carros elétricos. Mas também vivem no local comunidades biológicas que não são encontradas em outras partes do oceano e podem ser suscetíveis a impactos ambientais gerados pela mineração", aponta Angel.

O plano de trabalho firmado com a ISBA é fortemente sustentado em parâmetros técnicos, revelando a preocupação da CPRM com o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. Os primeiros cinco anos do contrato firmado serão dedicados ao desenvolvimento de estudos que vão detalhar o estado ambiental e servir de referência para o estabelecimento de uma linha de base para o monitoramento do meio ambiente na região.  

Estão previstas expedições de levantamento ambiental para se conhecer o estado natural da biota, condições geológicas e oceanográficas da região. As expedições irão coletar dados geofísicos oceanográficos, amostragem de água, da mineralogia, petrografia, além de realizar estudos geoquímicos. 

As informações serão inseridas em banco de dados geoespaciais e servirão para o monitoramento ambiental e definição das principais áreas de interesse para exploração mineral. Já a fase seguinte será avaliação das características mineralógicas, estruturais e geomorfológicas e ambientais das áreas de interesse. A terceira etapa do plano de trabalho prevê a seleção de áreas para estudo da viabilidade econômica, ambiental e técnica dos depósitos minerais identificados.

Com informações de Janis Morais, da assessoria de imprensa do CPRM.

  • Compartilhe:

Comentários



Voltar para todas as notícias

Copyright - univali.br - 2017 - Todos os direitos reservados

Brasil realizará estudos ambientais na Elevação do Rio Grande