Capelania

Já elaboração da chamada “Carta Consulta”, da qual resultou o reconhecimento e conseqüente instalação da Universidade do Vale do Itajaí – Univali -, foi incluído o projeto de edificação de uma Capela no campus da mesma, como forma de cultivo de Deus como parte integrante da formação do ser humano.
Na verdade, havia louváveis iniciativas que, infelizmente não vingaram – nem depois da instalação da universidade – de desenvolver-se uma atividade pastoral organizada, contando com a participação de líderes – ministros – religiosos de então.
 
Assim, na solenidade de instalação da universidade, a 21 de março de 1989, constou, como parte integrante, num ato ecumênico presidido por Dom Afonso Niehues, Arcebispo Metropolitano de Florianópolis, foi dada a Bênção da Pedra Fundamental da futura Capela. Na ocasião, Dom Afonso pronunciou importante discurso onde refletiu a relação indissolúvel entre fé e ciência.
 
Ao assumir a missão de Pároco do Santíssimo Sacramento no centro de Itajaí, em cujas abrangências situava-se a sede da Univali, Pe. Alvino Broering procurou desenvolver a pastoral universitária: sem saber – de início -, estava “ressuscitando” um projeto bem mais antigo!
 
Nas comemorações de dez anos de existência da Univali, Pe. Alvino Broering escreveu um capítulo no livro alusivo à data e também em homenagem ao Reitor Édison Villela. O tema abordado foi fé e ciência, incluindo, também, elementos de pastoral universitária e perspectivas da futura capela.
 
Além da participação neste livro, a pedido do Reitor, com participação de toda a comunidade acadêmica, de convidados e autoridades, Pe. Alvino Broering procedeu à “solene dedicação do terreno” destinado à construção da referida capela. Com o passar do tempo, embora dificuldades de ordem diversa não tenham permitido a materialização do templo – tantas vezes arquitetado! -, as atividades pastorais foram se firmando e conquistando espaço e corações, de modo que a Universidade requereu – repetidas vezes – ao Arcebispo Metropolitano a liberação de Pe. Alvino como Capelão, em conseqüência da criação de uma Capelania canônica.
 
Deste modo, a 30 de outubro de 2003, Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger criou a Capelania Especial “ad titulum personae” sob o título “Capelania Spiritus Veritatis” (Cf. Cânon 564-566) para a Universidade do Vale do Itajaí (Prot. 243/03 - L. 18), ao mesmo tempo que nomeou Pe. Alvino Broering como seu Capelão (Prot. 242/03 – L. 18). A solene instalação deu-se no mesmo dia, no campus-sede, em reunião do Conselho Universitário – CONSUN -, que efetivamente aprovou a Capelania e a incorporou à Universidade (Resolução 109/CONSUN/03 – assinada pelo Presidente e Magnífico Reitor, Prof. Dr. José Roberto Provesi, Ph.D.). Seguiu-se Celebração Eucarística com ampla participação de todos, incluída a comunidade externa.
 
“À Comunidade da Univali, com a criação desta Capelania, queremos expressar nossa sensibilidade e consciência de pastor diante dos variados e urgentes desafios inerentes à vida universitária. Estamos conscientes de que a proposta do Evangelho de Jesus Cristo é a resposta adequada ao inquieto coração humano” (Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger – Arcebispo de Florianópolis).
 

A Capela Universitária

“Morada do Espírito” De início, o “sonho da capela” e, seguramente, o que se desenvolveria em torno dela, foi o foco gerador de tudo o que vem acontecendo. O templo, em si, é muito importante, como centro aglutinador e convergente das atividades, e local do encontro com Deus.
 
O sonho da capela, contudo, continua como um grande ideal. Já foram esboçados vários projetos, em estreita colaboração com a Faculdade de Arquitetura situada no Campus de Balneário Camboriú. Fatores diversos, entretanto, têm impedido a sua concretização.
 
Algumas idéias norteadoras foram publicadas no capítulo de Pe. Alvino Broering, no livro comemorativo aos dez anos da Univali – “A Saga de um Empreendedor – Relato Biográfico de Edison Villela”. Na verdade, em atitude ecumênica, dialogal e respeitosa para com todas as Igrejas, Comunidades Cristãs e Grupos Religiosos diversos, bem como expressando a natureza própria de uma universidade no empenho da busca de conhecimento e sabedoria, a Comissão pró-construção, em ampla consulta a diversos setores, houve por bem dedicar a futura capela ao Divino Espírito Santo de Deus sob o título de “Spiritus Veritatis”, aludindo à passagem do Evangelho de São João (16,13a).
 
Pensou-se, além disto, de a construção assumir a forma arquitetônica de tenda, não só em alusão à rica dimensão bíblica, mas sobretudo à dimensão de provisioriedade e precariedade de nossa passagem nesta terá, despertando-nos, assim, para os bens definitivos e absolutos do Espírito de Deus. Decidiu-se, também, por um mosaico de Cristo, o Ungido do Espírito por excelência (cf. Is 61,1-2; Lc 4,18), ladeado por uma fonte de água corrente e por uma expressão de fogo. Além de serem elementos basilares na geração e sustento da vida, biblicamente nos recordam o novo nascimento (cf. Jo 3,5) e que este acontece no Espírito e no Fogo (cf. Lc 3,16).
 
Aprendemos, desde a mais tenra idade, que somos templo do Espírito Santo de Deus – “Oikia toú Pneumatós” (cf. 1Cor 3,16; 6,19; Ef 2,22). As Sagradas Escrituras reservam as mais lindas passagens ao Espírito Santo, que pairava sobre as águas, para gerar a vida no início do mundo (cf. Gn 1,2), que inspira os profetas na preparação para avinda do Messias, eu gerou o Filho Eterno no seio de Maria (cf. Lc 1,34b), que desceu em forma de pomba no Batismo de Jesus (cf. Mt 3,16), que veio sobre os apóstolos, na forma de línguas de fogo no dia de Pentecostes (cf. At 2,3-4) e tantas outras
 
Em especial, iluminados pelo Profeta Joel: “Nos últimos dias derramarei o meu Espírito sobre toda carne; vossos filhos e filhas profetizarão, nossos anciãos terão visões e vossos jovens terão sonhos” (Jl 3,1), integrando Fé e Ciência, queremos nos abrir para a inspiração, ação e contemplação de Deus, Criador e Senhor de todas as coisas, do qual a Capela Universitária será sinal referencial e instrumento, almejamos que na Univali, todos e cada um, tenhamos os sonhos do Espírito Santo, tornando-nos Sua Morada e renovando a face da terra: “Se vivemos pelo Espírito, pelo Espírito também pautemos nossa conduta” (Gl 5,25).
 
No momento, dispomos de quatro pequenas salas, anexas ao Teatro Adelaide Konder, no Campus de Itajaí: uma foi adaptada como pequena Capela, outra serve às atividades do Capelão, a terceira, às atividades do Coordenador de Pastoral e acadêmicos estagiários, e a quarta serve de recepção e espera, bem como para pequenas reuniões e grupos de estudo e reflexão.
 
Atendendo a antiga expectativa, o Magnífico Reitor já determinou à Diretoria de Logística o estudo e viabilização de um espaço destinado ao cultivo religioso em cada um dos Campi da Universidade. Aí acontecerão pequenas celebrações, grupos de oração e estudo, e oração individual.
 

Brasão da Capelania

 
Tema: “Spiritus Veritatis” – Espírito da Verdade
Lema: “Spiritus Veritatis Docebit Vos”: “O Espírito da Verdade vos ensinará”
Inspiração: “Cum autem venirit ille Spiritus Veritatis, docebit vos omnem veritatem”: “Quando vier o Espírito da Verdade, Ele vos conduzirá à Verdade Plena” (Jo 16,13 a).
 
Forma: Brasão indicando a árdua luta na busca do conhecimento e da Sabedoria (Cf. 1Cor 9,25); Elementos: Pomba, acima, símbolo do Espírito, sobre tons azuis (céu, local do Espírito); Capelo, símbolo do homem em busca do conhecimento e da sabedoria, possíveis graças à Revelação do Espírito sobre tons claros (mundo, local da atuação do Espírito, oferecendo a paz); Cruz em tons dourados, símbolo da Aliança celebrada pelo Eterno Filho de Deus, Jesus Cristo, com 7 (sete) esferas (dons do Espírito – cf. Is 11,2); Elo-Anel unindo terra e céu, nos tons dourados (da Cruz); Autoria: Pe. Alvino Broering.